terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Molejo me entenderia.

  Você é vândalo, pula o muro que construí em volta do meu coração e invade, me enche de você, pra depois eu ficar cheia de saudades. Saudades de jogar conversa fora até tarde, dos "bom dia" depois do meio dia, da tarde deitados na rede fumando e dos seus olhos pequenos em cima dos meus.
  É sempre bom te ter por perto, ser alvo das suas cantadas baratas, as suas mordidas na minha barriga e o tanto que é lindo o abrir e fechar da sua boca enquanto fala o apelido que me deu. Você ainda faz minhas pernas tremerem, minha barriga revirar, meus olhos brilharem e meu coração sapatear em cima da minha razão.
  Ninguem nos apoia como casal, nem minhas amigas, nem minha mãe, e, por muitas vezes acho, que nem você. Por isso digo que já te superei, grito que não te quero mais, passo com outro na sua frente pra mostrar que to em outra, mas basta um encontro casual, um abraço e um cheiro no pescoço que eu caio, caio aos seus pés, esqueço do meu discurso preparado de porque-você-ainda-me-procura-do-nada-se-foi-você-que-não-me-quis-mais-? e do tempo que você ficou sem falar comigo. Esqueço principalmente de quem eu sou, porque na sua presença eu não sou mais minha, sou sua.
Me usa, me abusa, me pega e leva pro canto da sua cama, só não me devolve pro mundo de novo, sempre que você me devolve, eu deixo um pouquinho de mim com você e volto deficiente.
    Era amor, era cilada e eu adorava. Você só não me bagunça mais, porque eu já sou uma bagunça sozinha.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Camping no meu coração

  Sempre que eu canso  e quero fugir de tudo, te incluo nos meus planos.
 A companhia perfeita, diversão garantida, muito carinho, só nós dois e o barulho dos passarinhos. 
Eu  trocava toda a comodidade da minha casa, por uma barraca pequena no meio do mato se fosse com você.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Super herói.

  E eu queria poder gritar pro mundo que agora eu tenho você. Esfregar na cara de todos os rapazes que me esnobaram e falaram que eu não ia conseguir ninguém pra me aguentar, que eu consegui sim.  Pras tias que perguntam "cadê o namoradinho?" nos eventos familiares, tá aqui, arrumei. 
Queria contar tudo que eu sinto, mas eu tenho medo de te assustar, tenho muito medo mesmo, porque no fundo eu sou uma medrosa que tem tanto amor pra dar, que não sabe como fazer isso sem assustar os outros.
  Mas não, eu não vou gritar, nem esfregar você na cara de ninguém, esse nosso sentimento é sussurro, é não precisar dizer uma palavra e só se olhar pra saber o que o outro quer dizer, é toque com a porta do quarto fechada, é abraço na rua escura e beijo na escada do meu prédio, é mãos dadas no meio da multidão, é musica pra lembrar do outro, é um gostar que não precisa ser dito, porque da pra ver, da pra sentir.
  É homem aranha, conseguiu prender essa Mary Jane que sempre morreu de medo de compromisso sério na sua teia. Você não conseguiu me salvar do assalto, mas me salvou de uma coisa muito mais importante, do medo de gostar de verdade de alguem.
Das tantas coisas que têm me ensinado, a reciprocidade têm sido a mais importante.
Pode ser cedo pra dizer isso, mas obrigada.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Vaga na área de administrador de coração:

Quando eu perguntei se te dava trabalho, você riu daquele jeito todo cheio de si, que eu tanto gosto, e respondeu:
- Se você me der trabalho, eu não aposento nunca!

domingo, 10 de novembro de 2013

Futuros amantes

Quando é pra ser, vai ser.
Se for pra ser, será.
Não importa o tempo que demore,
não tem família indo contra que afaste
não tem distancia capaz de fazer esquecer,
não há briga séria que ocasione o fim.
Tudo tem seu momento certo.
Vai além do nosso controle.
O destino junta,
o universo reaproxima,
o acaso une. 

  Se o grande mestre Chico Buarque falou, tá falado "não se afobe não, que nada é pra já. O amor não tem pressa, ele pode esperar..."

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

A moda agora é combinar descombinando

  No momento em que eu mais não queria ninguém, foi quando você apareceu no meio de um monte de gente, fumaça e musica alta de balada.
E eu sei que você poderia ter quem quisesse, mas me escolheu. E você sabe que eu poderia ter escolhido qualquer um naquela noite, mas foi só você que me fez querer dar a cara pra bater e ir atrás te conhecer. 
  Gosto de te ter por perto, mas as vezes não consigo demonstrar e sinto que me atrapalho toda. Gosto quando faz cócegas em mim e de como consegue arrancar um riso fácil da minha boca só com uma paçoca, de te ver rapidinho durante a semana - eu nunca te falei, mas esses encontros são só pra eu não morrer de saudades-. Gosto das cantadas baratas e do seu abraço quente, que parece encaixar perfeito no meu. Gosto de poder falar qualquer coisa que eu quiser, sem precisar filtrar e de você ser uma companhia pra todos os momentos. Gosto de você ter mostrado que eu mereço alguém que goste de mim do jeito que eu sou, mesmo sendo tão diferente do que você tá acostumado.
Gosto de você ser menino, me olhar como menino, rir como menino, mas me proteger do mundo com seu abraço de homem, nele eu me sinto tão protegida que todo o medo some e fico como você, cheia de vontade de enfrentar o mundo.
Gosto tanto de mim quando to com você, que até peço desculpas por ser tão eu as vezes, estar as vezes distante, desatenta, ser irresponsável, um pouco sem limites, desligada, desmemoriada e com umas ideias malucas, enquanto você é todo carinho, todo correria e atividade, falante e atencioso. 
  Ainda não sei quem agradeço,deus? Destino? Universo? Seus pais por terem te feito? Mas sei que te conhecer naquela noite não foi por acaso, tava escrito, eu não abro minha vida, minha casa e meu coração pra quase ninguém, você é diferente, eu sei, você é você, simples assim.

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Nascendo o sol

- A preguiça te dominou, né?
-Nem foi a preguiça..
- Então fui eu que te dominei?
- Foi o amor...

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Porto

Ancorar na sua cama e não sair mais. 
Talvez seja pedir demais
talvez eu nem mereça isso
mas, se dormir já é bom, imagina tendo você ao lado.

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Secou.

  E aí a gente fica nessa de ter alguma coisa que a gente não sabe direito o que é, mas sabe que ainda tem alguma coisa porque, quando se encontra, não consegue parar de se olhar.
Só que não da mais, aparentemente isso não te machuca, isso de não saber o que está acontecendo entre nós, pois me machuca e muito, me chateia e me deixa sem vontade de sair com outros rapazes, conhecer novas pessoas, te superar. Não da pra fazer desse relacionamento em ruínas a morada dos meus melhores sentimentos.
  Todas as tentativas de tomar porres homéricos para te esquecer foram fracassadas, bebo pra esquecer e acabo lembrando ainda mais. Todas as conversas moles que eu cai em busca de um novo alguém pra ocupar o seu lugar não têm funcionado também.
Não da pra acordar todos os dias de manha, tirar meu celular de baixo do travesseiro na esperança de você ter me mandado alguma coisa e já começar o dia frustrada. 
  Acabou, fim, e dessa vez é sério. Sem recaídas alcoólicas, sem lero-lero pra puxar assunto e saber as novidades. Nem seu sorriso tentador, nem suas palavras bonitas, nem seu abraço aconchegante, nem esse olhar que me devora, nada, nada mais faz valer a pena continuar gostando de você, eu até tenho amor o suficiente por nós dois, mas não parece honesto eu só dar e não receber.

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Diga!

   Por um mundo com mais "eu te amo" dito de graça, dito no calor do momentos. Sussurrado, falado, gritado aos quatro cantos do mundo. A gente as vezes se economiza demais, pensa demais, e acaba deixando passar aquele momento perfeito de dizer o amor a alguém por medo, por bobagem.
Mais olho no olho, mais pele na pele, mais beijos apaixonados!

segunda-feira, 22 de julho de 2013

Amor de carnaval.

- To te dando meu amor, cuida dele.
- Pode deixar, vou guardar seu amor no meu coração. Colou o adesivo de coração que eu dei no peito, piscou para mim e sumiu subindo a ladeira, pulando carnaval no meio da multidão. 

sábado, 6 de julho de 2013

Te quero, não nego, te procuro sempre que me der vontade.

  E, de repente, tive vontade de te ver. Não mantive minha promessa de nunca mais te procurar, eu sabia que não manteria por muito tempo.
  Chovia; ventava; estava escuro; tinha companhia, mas não era a companhia que eu queria. Eu, levemente bêbada, quis muito te ter por perto, assim, como num estalo, te liguei. Meses sem se falar, mais tempo ainda sem se ver. Não sabia como você reagiria, se me atenderia ou se uma outra mulher atenderia, não pensei, agi, agi duas vezes antes de pensar.
Atendeu de primeira minha ligação a cobrar, já sabendo quem era, perguntei onde estava, falei onde estava, combinei dele me ligar quando e se fosse até a parte da cidade em que eu estava. Fim.
Não, fim não, pra mim, mulher sem limites, estava só começando. Enviei sms, me declarei pela enésima vez, falei do seu sorriso contagiante e do quanto eu queria te ter naquele noite.
  Você me acha engraçada, não leva a serio minhas cantadas, acha que eu estou brincando quando falo que você não sabe do que eu sou capaz, da minha vida cilada,  e que, se o homem aparece com uma placa "sou psicologicamente abalado e tenho problemas com relacionamento serio", eu apaixono facilmente.
  Minutos depois você me liga, acabo perguntando- como quem não quer nada- sobre aquela outra que você estava saindo, deu errado? Me respondeu: não deu certo, nem errado, apenas não deu.
  Falo, grito, choro e imploro querendo te ver. Já presumo uma ressaca moral homérica na manha seguinte, mas agora que eu já estava nas suas mãos, já tinha falado o tanto que gostava de você, me declarei em meio a lagrimas tipicas dos bêbados que perderam o senso do ridículo junto com o copo de plastico vazio de catuaba, não tinha como ficar pior.
Se tivesse me tratado mal na primeira ligação,me cortado, ou mesmo não ter atendido, eu teria ficado com raiva momentânea e pensaria um milhão de vezes da próxima vez que cogitasse a ideia de te procurar, mas você é tão filha da puta de cafajeste, carinhoso e atencioso, que não me da nem a chance de te odiar por algumas horas. 
Eu pediria desculpas por todo o descontrole dessa noite, mas está bem claro que a culpa é toda sua, quem manda ser assim, o tipo certo do cara errado que tanto me agrada?

domingo, 23 de junho de 2013

Explosão de sensações.

  Amor. Revolução. Amor pela revolução. Revolução do amor.
Enquanto a rua estava o caos, a babilônia em chamas, foi quando você veio por trás de mim e beijou meu ombro. Em meio ao gás lacrimogêneo, barulhos de bomba de efeito moral, balas de borracha, gente correndo, o desespero e o ódio visíveis no olhar de muitos desconhecidos com o rosto tampado, deixando apenas os olhos raivoso encarando a policia na linha de frente descobertos, você me olhou com cuidado, cuidando de mim.
Naquele momento, meus olhos todo vermelho, ardendo e duros de ódio da policia, transbordaram carinho e todo o ódio se foi, esse não é um sentimento pra ficar guardado.
  Mais amor, mais igualdade, mais cuidado com o próximo. Menos covardia, crueldade, moralismo e desumanidade. Mais amor, por favor!

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Rainbow.

-Vamos fugir comigo?
-Pra onde?
-Pro mundo...
- E viver de que?
- De amor! De arte e de musica.
-Pensa bem, em uma dessas que você me chama pra fugir, eu vou acabar topando e vai sobrar carinho, se faltar estrada ou carnaval.

domingo, 9 de junho de 2013

Libertas Quæ Sera Tamen.

  Eu nunca fui do tipo de menina da tradicional família mineira. Não me acho a frente do meu tempo, me sinto de acordo com o mundo.
Tenho a cabeça efervescente de uma adolescente do século XXI, conta em todas as redes sócias, me interesso pelas novidades da internet e ainda assisto alguns capítulos de novela só pela companhia dos meus pais. 
Piercings, tatuagens e modificações corporais fazem parte de mim. Tenho, não julgo como careta quem não tem, liberdade de escolha. Não gosta, não põe. Está indeciso, não tatua. Não achar bonito é direito, assim como respeitar é dever.
   Não sou moralista, tenho alguns preconceitos sujos e sem sentido que luto para diminuir todos os dias. Luto contra minha cabeça extremista e meu jeito afobado, acho mais assertivo usar o caminho do meio. O meio termo é o chão mais seguro a se pisar.
 Em cima do muro nunca, pelo contrário, escolho. Sempre escolho o que acredito ser o melhor.
  Quero me livrar dos pensamento ruins, das pessoas ruins. Tenho medo da tristeza; de trair meu coração para me encaixar no que a sociedade dita como normal e correto.
Não gosto de ficar sozinha, mas não me importo de estar. Sou pequena e compacta,me cabe em qualquer lugar, sou ninguém no meio de tantas. 
Com alguns problemas e uma sorte torta.Nada cala minha esperança e meu sorriso.

segunda-feira, 1 de abril de 2013

A princesa.

  É como se eu tivesse usado vários tipos de drogas e estivesse prestes a ter uma overdose. É assim que eu vejo esse amor louco e doentio que sinto por você. Você faz meu coração disparar e eu tenho medo dele ir tão rápido que acabe parando subitamente.
Sempre quis amar pouco, ser controlada, calma e segura, mas não dá, nasci pra sentir muito, sentir tudo.
  Depois de ouvir você dizer que eu tenho cheiro de neném, eu nunca mais usei aquele hidratante, e eu nunca mais ouvi Noel Rosa sem uma pontada de dor no coração, e eu nunca mais vi pandeiros e consegui não procurar um all star verde nos pés de quem o tocava, e eu nunca mais te vi. Até sinal de fumaça seria mais válido que essa falta de noticia. 
O problema é que, mesmo depois de tanto tempo, ao fechar os olhos eu ainda consigo ver você me chamando de princesa e me apertando delicadamente contra seu peito. Confesso odiar que me chamem de princesa, acho cantada barata demais, até pra você, mas, saindo da sua boca, o que não fica lindo, me diz?
  Vem ser meu príncipe. Ou não, na verdade, príncipes são chatos e só chegam no final da historia pra acabar com a emoção e levar a mocinha pra vida pacata do final feliz. Bom mesmo é o tipo de homem que você é, daquelas caras sujos que falam gostosa no seu ouvido, não cheiram a perfume e respiram pesado no seu ouvido para você pensar que está transando, assim Tati Bernardi definiu algum homem e eu peguei a definição pra você.    
 Torço pra você nunca achar meus textos pela internet, imagina que estranho você descobrindo toda essa paixão por você; que cortaria meu cabelo chanel e pintaria de azul se isso fosse condição pra te ter por perto; que largaria tudo, faculdade, família, minha cômoda vida de solteira e iria até pro frio da Russia, quando você se cansasse da vida por aqui. 
  Te desejo toda a felicidade do mundo, mas não dava pra ter toda a felicidade do mundo estando ao meu lado não?

domingo, 31 de março de 2013

Opostos dispostos.

  É um mistério,vive em seu próprio mundo. Nada, nem ninguém desvia sua atenção, penso que, se a Gisele Bundchen passasse desfilando na sua frente, nem assim o faria desviar os olhos das páginas do livro. 
  Não acredita em deus, não acredita em anjos, nem duendes e seres da natureza. Decora poemas, faz poesias, com tanta sensibilidade, não sei como nem no amor você acredita . E eu, menina que é personificação da crença, disposta a te fazer crer em destino e nos astros, não me canso de rir na sua presença tão forte quanto a luz  do sol e tão aconchegante quanto ficar na cama enrolada com um edredom numa manha chuvosa de domingo, estou disposta a atravessar a rua e ficar ao seu lado trocando o elevador por escadas e fazendo do meu sedentarismo uma escolha inviável.
A antítese perfeita, o clichê dos opostos posto a prova,  a personificação do velho ditado, é o velho amor direcionado a um novo alguém.
  Você não sonha quando dorme, e eu vivo no mundo da lua acordada. Vem pro meu mundo que nele tudo pode, tudo acontece, tem amor, tem fadas e crendices que parecem não fazer sentido, vem pra eu te mostrar que as coisas não precisam ter uma explicação racional sempre, mesmo porque, se tem uma coisa que eu lhe desafio a explicar é essa nossa conexão, mesmo não tendo nada em comum

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Que o universo conspire a nosso favor.

  Não me canso de me perder no mel dos teus olhos, nas curvas do seu sorriso e no erro que é estar com você. Sempre que eu fujo, me escondo, a luz no fim do túnel é o brilho que você emana e acabo sempre no caminho que leva ate sua casa.
  Me pede um abraço, um beijo e em casamento. Assim, um pedido seguido do outro, respondo, como quem pede informação e tem que confiar em um desconhecido que está passando pela rua, que sim, tudo sim, sempre sim, com você, pra você e por você é sim.
Me chama pra ver o sol nascer, pra contar estrelas, pra observar a lua, me tira dessa rotinas desgastante e me leva pro seu mundo, pro mundo que você criou só pra me fazer feliz. Olho pra você e faço um pedido, você é como estrela cadente, de tão precioso, peço pro tempo parar.

-Ôh ruiva, casa comigo, vamos fazer um filho dos olhos verdes e dreads no cabelo...
- Eu quero cinco.
- Que coincidência, eu também!

Que coincidência, ele também...

sábado, 19 de janeiro de 2013

Mórbida(zinha).

  Tenho medo de dormir e não sonhar. Medo de dormir e não acordar. Mais medo ainda de fechar os olhos, sonhar com você e ter que acordar.
Quando eu não acordar mais, pode saber, preferi continuar sonhando com você.

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Me deixa ser. Me deixa viver o que eu sou.

  Já foi a época em que eu tentava ser contida. Riso contido, fala contida, filtro nas conversas, gestos contidos, sentada de pernas cruzadas só balançando a cabeça e com um leve batom rosinha claro na boca. Nude que chama, né? É essa "cor" mesmo. Odeio nude, odeio bege, odeio cor que não é cor, cor que não chama a atenção no meio da multidão. 
Não nasci pra ficar no cantinho da festa, pra aplaudir, meu negocio sempre foi o brilho, o glitter, o glamour, sambar no meio da roda. Sempre fui do palco, não da plateia.
  Me chamar de "aparecida" não é xingamento, pode tentar, te garanto que não vai me atingir, porque eu sei que sou e gosto de ser. Enquanto você tá aí me chamando de aparecida e falando que essa necessidade de chamar a atenção deve vim de algum trauma infantil, eu estou em cima do balcão ganhado tequila na boca e rindo, rindo muito, rindo alto, gargalhando e descendo até o chão, sem limites pra viver. 
  Falo alto com muito orgulho, mesmo sabendo que minha voz  é estridente e fininha, eu sou bem resolvida demais pra me abalar com gente falando mal da minha voz. Depois de muitos copos e muitos karaokês, eu já aceitei que não nasci pra ser cantora, o que já é um avanço, porém do karaokê eu ainda não desisti. 
Prefiro mil vezes falar alto e, não só a pessoa que estou conversando ouvir, do que falar baixinho e ter que repetir umas três vezes porque ninguém me ouviu. Falo alto porque eu falo mesmo e sem pensar, apenas falo e garanto. Falo alto pra me impor? Talvez, pense o que quiser, mas, se quer um conselho, pense menos no que os outros estão fazendo com a vida deles e faça mais pela sua vida.
  Aproveitando que eu tenho voz pra isso, proponho um brinde aos aparecidos, aos que falam alto, aos esparrados, aos sem limites, aos que são tão do amor e da alegria que só tem tempo de viver a própria vida intensamente- amém!