segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

sábado, 20 de fevereiro de 2016

Fragmentos

   Cultivo imensidão de relações superficiais, baseadas na sociabilidade humana.
Criei um limite pra minha privacidade, não deixo que os outros ultrapassem a linha, não falo da minha vida, não quero que falem da minha vida, a opinião de vocês, honestamente, não me importa, não gosto de ser o assunto, nunca gostei.
As sombras me agradam.
Gosto de muita gente, incontáveis multidões de pessoas, mas guardo meus sentimentos e segredos pra quem amo e amo tão poucas pessoas...
  Você, que me conhece, que sabe que me conhece bem, que já falou isso.
Sabe das minhas intensidades desregradas, sabe do meu coração mole e dos meus medos, sabe que tudo muda, tudo esta em movimento, sempre que nos vemos não somos mais os mesmos do ultimo encontro. Você, que não tem nada a ver com perfeição, mas sim com sintonia, que sabe que meu amor por você permanece intacto em meio aos cacos de vidro da vida, que amo tudo que você é, incluindo facilmente as partes ruins.
Quem eu amo me gera um misto de sensações, que juntas me fazem sentir viva.
E de sentir eu gosto muito.


terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

O infinito que é sentir

Um filme triste, varias reflexões.
Queria escrever muitas coisas, mas nada sai, só as lagrimas.
Saudades. 
Se não posso dizer, escrevo.