quarta-feira, 28 de junho de 2017

Considerações:

Eu nunca dei conta do ego dele, de como ele sempre tinha que estar certo e eu errada, da necessidade de me anular pra ele brilhar. Tantas vezes em que eu passei por cima, que eu sentia falta daquela paixão, e eu lá, sempre fingindo que nada me incomodava, mentindo pra mim mesma sobre o fato de que o fim já tinha tomado conta de tudo, menos da coragem de colocar o fim.
Eu deveria ter muita coisa pra falar, infelizmente tomei uma antipatia da cara dele de um jeito tão grande, por causa do modo como ele agiu com o termino, que apaguei lembranças. Melhor assim, presumo, nem quero fazer esforço pra lembrar.
As vezes eu olho pra atrás e sinto que perdi tempo, tudo já tinha acabado muito antes do fim oficial.

Fim.


Antes, depois, nos términos, eu já nem sei mais onde esse outro entrava na minha historia e onde não tinha espaço pra ele, mas algumas vezes podia ser chamada de nossa história.
Esse era paixão, sempre foi, doía, sangrava, ardia. Era distante e perto, era amizade, virou amor, já foi preocupação, briga, raiva passageira e musica gostosa.
Teve drama, muito drama, quanto drama eu fiz por alguém que nos últimos tempos eu mais sonhei do que vivi junto.
Caótico, mulherengo, conquistador barato, envolto de uma teia de mulheres que se detestavam por um só motivo, ele.
Intenso, que não tem responsabilidade com os sentimentos que alimenta nos outros.
A gente se conhecia bem, eu já sabia tudo o que esperar dele, principalmente as ações ruins.
Sabor gostoso de confiança, desabafo e olhar profundo.

Fim.


É amor, é uma paixão avassaladora, não machuca, não tem segredos, não faz sofrer.
Ele é daqueles que a gente entende porque não deu certo com mais ninguém até hoje, era pra ser só com ele, tá escrito nos astros, nos búzios, no tarô, na quiromancia, tá pixado nos muros, nas paredes de galerias, tá tatuado na alma e amarrado pelos orixás, tinha que ser.
A gente tem tudo a ver, afinidades, jeitos, gostos. A gente gosta de gente, de falar alto, de ficar deitado fazendo nada, de aprender, de conversa da boa e de esquisitice.
Ele cede, eu cedo, é justo. Tem confiança como eu nunca tinha experimentado numa relação, tem cumplicidade de um jeito nunca vivido antes, tem tanto ele que eu não preciso nem quero mais ninguem, de repente, tenho alguem com tudo e mais do que sempre quis.
Ele tem a alma clara, da pra ver pelos olhos dele. Assim como eu consigo ver todo o sentimento que ele tem por mim só de reparar ele me olhando.
Ele é desligado, um pouco nem aí pra tudo, deixa a vida ir tomando seu curso sem fazer muita programação, ele vai na onda da vida.
Conheço cada dia mais pontos positivos e negativos da personalidade dele e concluo, dia após dia, que ele é perfeito.
Presente certo. Futuro desejado com muita força e bem sonhado.


Depois de viver o ego do leonino,
o caos sedutor do taurino.
agora tenho a vitalidade e energia do sagitariano.

Não que eu me resuma aos meus amores,
mas tudo que passa deixa um pouco de si e leva um pouco de nós.

terça-feira, 13 de junho de 2017

Misérias do ser

Eu não sei se sou uma pessoa genuinamente boa....

Sou exageradamente desconfiada e difícil de praticar o perdão.
Não gosto de gente que pede ajuda pra tudo,
nem de quem diz saber tudo.
Gente que vive na ego trip do "eu sou" me da preguiça,
canseira na alma.
Sou uma pessoa critica, com o senso do ridículo aflorado e, a sensação de vergonha alheia, latente no meu ser, mostra que no fundo sou um julgadora inveterada do diferente.
Gosto do azul, de unhas coloridas, de comer mini tomatinhos, não sou de café da manha, pretendo parar de fumar por causa das rugas que causam na pele a longo prazo, as vezes não olho pra atravessar a rua, tenho medo de andar sozinha a noite, gosto de ver filme repetido e de ficar sozinha, não suporto gente que não consegue fazer escolhas por si mesmo, adoro cerveja, odeio ressaca, um dia vou acordar descontrolada e cortar o cabelo curtinho e em seguida me arrepender amargamente.
Mudar não me assusta, homens bêbados me assustam.
Aprendi mais sobre o mundo e a vida com as pessoas que convivi do que em qualquer sala de aula ou livro,
Me sinto perdida na vida profissional. Por favor, não fiquem perguntando o que os outros vão fazer depois de formar.

Tento errantemente evitar erros.
Valorizo quem é fiel a suas ideologias, julgo a hipocrisia.

Estou em um processo de melhora do meu ser, no que isso vai dar, não sei.
Talvez me leve a santidade (deus me livre), talvez seja o caminho direto pro inferno (duvido que seja tão fácil assim).
O que sobra em meio a tudo isso são meus esforços, os amigos e amores que permanecem ao meu lado pelos prós,
apesar dos contra.