terça-feira, 13 de junho de 2017

Misérias do ser

Eu não sei se sou uma pessoa genuinamente boa....

Sou exageradamente desconfiada e difícil de praticar o perdão.
Não gosto de gente que pede ajuda pra tudo,
nem de quem diz saber tudo.
Gente que vive na ego trip do "eu sou" me da preguiça,
canseira na alma.
Sou uma pessoa critica, com o senso do ridículo aflorado e, a sensação de vergonha alheia, latente no meu ser, mostra que no fundo sou um julgadora inveterada do diferente.
Gosto do azul, de unhas coloridas, de comer mini tomatinhos, não sou de café da manha, pretendo parar de fumar por causa das rugas que causam na pele a longo prazo, as vezes não olho pra atravessar a rua, tenho medo de andar sozinha a noite, gosto de ver filme repetido e de ficar sozinha, não suporto gente que não consegue fazer escolhas por si mesmo, adoro cerveja, odeio ressaca, um dia vou acordar descontrolada e cortar o cabelo curtinho e em seguida me arrepender amargamente.
Mudar não me assusta, homens bêbados me assustam.
Aprendi mais sobre o mundo e a vida com as pessoas que convivi do que em qualquer sala de aula ou livro,
Me sinto perdida na vida profissional. Por favor, não fiquem perguntando o que os outros vão fazer depois de formar.

Tento errantemente evitar erros.
Valorizo quem é fiel a suas ideologias, julgo a hipocrisia.

Estou em um processo de melhora do meu ser, no que isso vai dar, não sei.
Talvez me leve a santidade (deus me livre), talvez seja o caminho direto pro inferno (duvido que seja tão fácil assim).
O que sobra em meio a tudo isso são meus esforços, os amigos e amores que permanecem ao meu lado pelos prós,
apesar dos contra.